Eleições municipais. Empresa dos EUA nega demissão de funcionários por falhas em atendimento ao TSE

Oracle foi contratada a R$ 26 mi
Atrasou suporte no domingo (15)
Logotipo na sede da Oracle, multinacional contratada pelo TSE Divulgação/Oracle. PODER 360

17.nov.2020 (terça-feira) - 14h08
atualizado: 17.nov.2020 (terça-feira) - 18h29

A Oracle negou na tarde desta 3ª feira (17.nov.2020) que tenha demitido 2 funcionários por causa das falhas identificadas no equipamento usado para centralizar a totalização de votos nas eleições municipais de 2020. A informação foi publicada pelo Poder360, com base em uma fonte de dentro da empresa.

Antes de publicar a informação, o Poder360 havia pedido à Oracle, que comentasse o episódio. A empresa respondeu que preferia se manter em silêncio. Uma vez publicada a reportagem, a Oracle mudou de ideia e enviou uma nota.

Em sua manifestação, a Oracle informou que os 1 dos funcionários foi demitido antes do problema com o TSE. O Poder360 apurou que o desligamento se deu no dia 13 de novembro, antevéspera da eleição. A saída desse funcionário, segundo a Oracle não teria relação com o contrato envolvendo a Justiça Eleitoral. O 2º funcionário segue trabalhando normalmente na companhia.

Eis a íntegra da nota:
A Oracle do Brasil afirma que a informação publicada pelo portal Poder360 está incorreta. Reforçamos a manifestação do próprio TSE, de que não houve impropriedade por parte da Oracle ou quaisquer de seus funcionários. Esclarecemos que nenhum funcionário da Oracle foi demitido neste contexto.

CONTRATO COM O TSE

A empresa de processamento de dados foi contratada a R$ 26,24 milhões para fornecer a infraestrutura necessária para a contagem de votos. O processo foi realizado com dispensa de licitação.

Trecho do Diário Oficial da União em que constam os dados básicos do contrato entre o TSE e a Oracle

Não está claro até agora quais as medidas adotadas pelo TSE para evitar os atrasos na divulgação de resultados no último domingo. A reportagem ouviu nesta 3ª feira (17.nov) que houve uma “calibração errada” da máquina que aumentaria a capacidade de processamento conforme a demanda.
O presidente da Corte, ministro Luís Roberto Barroso, disse durante a apuração de domingo que o atraso dos resultados decorreu de uma falha no “supercomputador“ usado na eleição.

O equipamento referido é, na verdade, uma máquina do tamanho de uma geladeira, conectada à internet, que serve para criar uma espécie de “nuvem privada” dentro do TSE (o “Exadata Cloud at Customer Infrastructure“).
Com a lentidão do processador no último domingo, seria recomendável transferir o processo para outra máquina da Oracle em nuvem, segundo ouviu o Poder360. O serviço contratado pelo TSE previa essa possibilidade, já que o contrato fala em  “serviço de Cloud“. Em teoria, a nuvem seria criada em máquinas de dentro do TSE.

O TSE disse ao Poder360, na 2ª feira (16.nov), que os resultados eleitorais ficaram apenas no computador alugado da Oracle e dentro do datacenter da Justiça Eleitoral, mesmo durante a pane de domingo.

A transmissão dos dados com os votos foi realizada por meio de uma rede criptografada limitada ao território brasileiro. Esse serviço é prestado pela empresa norte-americana Akamai. “Nós contratamos a Akamai, que tem nuvem no Brasil e no exterior para prestar o serviço de CDN, que é uma rede de distribuição de resultados”, explicou o tribunal. CDN é 1 serviço de fornecimento e entrega de conteúdos.
Em outubro, a revista britânica Economist publicou (para assinantes) quadro sobre a divisão do mercado de computação em nuvem.

A Oracle não figura entre as empresas que dominam esse setor. Ainda assim, possui no Brasil contratos com vários níveis de governo.
Correção – 17.nov.2020 (18h28)

 – esta reportagem afirmava anteriormente que 2 funcionários da Oracle foram demitidos por causa dos problemas identificados na apuração de votos das eleições. A empresa nega essas informações.

Comentários

To be published, comments must be reviewed by the administrator *

Postagem Anterior Próxima Postagem