Caso Lucas: MP denuncia mãe por abandono de incapaz

O Ministério Público do Ceará denunciou a dona de casa Regineide de Araújo Pereira, mãe do menino José Lucas Pereira de Queiróz, por abandono de incapaz. A mãe do garoto contesta o MP e diz que sente injustiçada. Regineide foi notificada na manhã da segunda-feira (21) e tem o prazo de dez dias para se defender.

A pena para quem abandona incapaz pode variar de seis meses a 12 anos de reclusão (no caso de o abandono resultar na morte).

A denúncia oferecida pelo MP contra Regineide ocorre seis anos após o desaparecimento da criança, ocorrido em 2014, e revoltou os familiares do menino. “Todos nós estamos indignados, chateados, uma vez que confiávamos na justiça e esperávamos que ela fosse apontar o que fizeram com o meu filho”, disse Regineide.

A mãe do garoto reforçou que não deixou o menino só e refutou a tese do MP de abandono de incapaz. “Ele estava em casa, brincando, e foi levado de sua família, de seu pai e de sua mãe e dos seus irmãos e até hoje o Estado foi incapaz de dizer quem o levou de nós”, disse.

Embora dois exames de DNA tenham sido realizados, ainda hoje pairam dúvidas na cabeça dos familiares do garoto. “Ainda assim não acreditamos e queremos saber porque no local (onde os ossos foram encontrados) não realizaram uma perícia”, contesta.

Para a família, o caso desde o início foi conduzido de forma equivocada. “O delegado João Eudes (que conduziu as investigações) sempre suspeitou que o desaparecimento estava ligado a questões com drogas”, afirma Regineide, que disse que irá provar sua inocência.

Entenda o caso: Na tarde do dia 6 de julho de 2014, a dona de casa Regineide Araújo Pereira foi visitar a mãe, Francisca Pereira de Moura, moradora do Córrego da Priscila, em Aracati. À tarde, por volta das 16h30 sentiu a falta do seu filho José Lucas Pereira de Queiróz, de apenas 3 anos, que brincava no quintal. Imediatamente os moradores passaram a procurar pelo menino.

A busca durou toda a noite de domingo, sem sucesso. Na manhã da segunda-feira (7), equipes do Corpo de Bombeiros, auxiliadas por integrantes do Tiro de Guerra e um helicóptero da Coordenadoria Integrada de Operações Aéreas (CIOPAER) fizeram buscas no local, mas não encontraram nada. Cães farejadores também auxiliaram nas buscas. Em 22 de dezembro do mesmo ano foi encontrado em ossada DNA compatível com o de familiares do garoto.

do Site Folha do Aracati

Comentários

To be published, comments must be reviewed by the administrator *

Postagem Anterior Próxima Postagem