Depois da Mongólia, peste bubônica também aparece na China e gera alarme em países da Ásia Central

Cidade de Bayan Nur, na China, próximo à fronteira com a Mongólia (foto: Xinhua). GLOBAL 05 DE JULHO DE 2020

Autoridades chinesas isolaram pavilhão do hospital de Bayan Nur, no noroeste do país, onde estão dois pacientes com a doença que causou pandemia na Idade Média. Algumas mortes repentinas registradas na região também serão investigadas

Por Victor Farinelli

Um dia depois dos casos registrados na Mongólia, neste domingo (5), foram identificados alguns pacientes com peste bubônica no noroeste da China, mais precisamente na cidade de Bayan Nur – justamente, perto da fronteira com a Mongólia.

As autoridades chinesas isolaram um pavilhão inteiro do hospital da cidade para cuidar dos dois pacientes, além de tomar outras medidas de distanciamento e segurança para evitar que a praga se alastre no centro de saúde.

Segundo a agência chinesa Xinhua, as equipes de saúde da região também investigarão algumas mortes repentinas registradas em Bayan Nur e outras cidades próximas à fronteira, para saber se têm relação com a doença.

A peste bubônica foi uma das doenças mais devastadoras da história da humanidade. Se estima que sua pandemia, durante a Idade Média, chegou a matar cerca de 100 milhões de pessoas na Ásia e na Europa, especialmente no seu auge, entre os anos de 1347 e 1351. Alguns historiadores afirmam que a praga dizimou entre 30% e 50% da população da Europa em sua época.

Além da China, outros países da Ásia Central já estudam medidas para prevenir a possível chegada do vírus aos seus territórios, que também estão relativamente próximos da fronteira entre a China e a Mongólia. São os casos de Rússia, Cazaquistão, Uzbequistão, Quirquistão, Tadjiquistão, Afeganistão, Paquistão, Índia, Nepal e Butão.

*Revista Fórum

Comentários

To be published, comments must be reviewed by the administrator *

Postagem Anterior Próxima Postagem