Longa "Greta", do aracatiense Armando Praça, vence Cine Ceará; confira lista dos ganhadores



Publicidade
Com vitória do cinema cearense, homenagem a Matheus Nachtergaele e exibição de Pacarrete, 29º Cine Ceará chega ao fim ressaltando força da indústria audiovisual

Por
JOÃO GABRIEL TRÉZ
06/09/2019

FORTALEZA, CE, BRASIL, 06-09-2019: Premiação e encerramento do Cine Ceará no Cine Teatro São Luiz. (Foto: Júlio Caesar/O POVO)

Depois de oito dias de programação intensa e de qualidade singular, o 29º Cine Ceará - Festival Ibero-americano de Cinema terminou na noite desta sexta, 6, consagrando o cearense "Greta" como o grande vencedor. Para além das vitórias, o que ficou do evento foi uma prova de que o cinema brasileiro - e cearense, em especial - vive ótima fase: foram cineastas mulheres, estreantes, cearenses, jovens e experientes que, juntos, compuseram edição pulsante. Desde os primeiros discursos proferidos no palco do Cineteatro São Luiz, ainda na abertura, no último dia 30 de agosto, a menção à resistência artística e cultural foi o norte do festival.

Em entrevista ao O POVO, Wolney Oliveira, diretor do Cine Ceará, adiantou que para a 30a edição do festival a expectativa é de intensificar a internacionalização do festival. "O Cine Ceará continua ibero-americano, mas a partir do ano que vem vamos homenagear um país de fora, pensando no link cultura e turismo", revelou. A previsão é que o primeiro homenageado seja a França.

Neste ano, uma das principais novidades do evento foi a garantia de uma porcentagem mínima de 30% de participação de filmes dirigidos por mulheres somando-se as três competitivas: de longas, curtas e na Olhar do Ceará. Dos 39 filmes que compuseram as mostras, 17 têm diretoras - ou 44% deles, superando a porcentagem mínima.

Outro número feliz é o de produções cearenses, que chegou a 27 só nas amostras citadas e aumenta ainda mais se consideradas as exibições especiais. A vitória de "Greta" ressaltou ainda mais a boa fase do cinema local.

O filme de encerramento foi o esperado e também cearense Pacarrete, longa de Allan Deberton que se passa em Russas e conta a história da personagem-título. Interpretada por Marcélia Cartaxo, ela é uma bailarina considerada louca que, após ter deixado a cidade, volta a ela por questões familiares. A obra levou no final de agosto oito dos 15 prêmios possíveis do Festival de Gramado, incluindo Melhor Filme, Melhor Atriz e Melhor Roteiro. Na ocasião, o elenco lamentou a decisão do festival de fechar a primeira exibição do filme no Ceará somente para convidados.

Depois de falas de como as de Fernanda Montenegro na abertura - “é na arte que o Brasil vai dar certo, é na arte que o Brasil dá certo” e Lília Cabral no sábado, 31 - “os governos passam e a arte permanece” -, para citar somente algumas, o Cine Ceará encerrou com um recado de resistência de Pacarrete: “um artista nunca deve deixar os palcos".

OS VENCEDORES

MOSTRA COMPETITIVA IBERO-AMERICANA DE LONGA-METRAGEM

TROFEU MUCURIPE

(Juri Oficial)

Melhor Longa-metragem: Greta

Melhor Direção: Armando Praça, por Greta

Melhor Roteiro: Arturo Infante, por A Viagem Extraordinária de Celeste García

Melhor Fotografia: Inti Briones, por Canção sem Nome

Melhor Montagem: Joanna Montero, por A Viagem Extraordinária de Celeste García

Melhor Som: Romain Huonnic, por Ressaca

Melhor Trilha Sonora Original: Pauchi Sasaki, por Canção sem Nome

Melhor Direção de Arte: Sérgio Silveira, por Notícias do Fim do Mundo

Melhor Atriz: María Isabel Díaz, por A Viagem Extraordinária de Celeste García

Melhor Ator: Marco Nanini, por Greta

PRÊMIOS ESPECIAIS

Prêmio da Crítica (Júri Abraccine): Canção sem Nome, de Melina León

Prêmio Olhar Universitário (Júri Olhar Universitário)

Troféu Mucuripe - Melhor Longa: Canção sem Nome, de Melina León

MOSTRA COMPETITIVA BRASILEIRA DE CURTA-METRAGEM

TROFÉU MUCURIPE

(Júri Oficial)

Melhor Curta-metragem: Marie, de Leo Tabosa

Melhor Direção: Giu Nishiyama e Pedro Nishi, por Livro e Meio

Melhor Roteiro: Kennel Rogis e Adrianderson Barbosa, por O Grande Amor de um Lobo

Melhor Produção Cearense: Pop Ritual, de Mozart Freire

PRÊMIOS ESPECIAIS

Prêmio da Crítica (Juri Abraccine): Livro e Meio, de Giu Nishiyama e Pedro Nishi

Prêmio Olhar Universitário (Júri Olhar Universitário)

Troféu Mucuripe - Melhor Curta: Pop Ritual, de Mozart Freire

Prêmio Canal Brasil de Curta-Metragem

Troféu Canal Brasil: O grande amor de um lobo

Troféu Samburá

(Vida & Arte - Fundação Demócrito Rocha)

Melhor Curta-metragem: Ilhas de Calor, de Ulisses Arthur

Melhor diretor: Mirrah Iañez, por Rua Augusta 1029

Prêmio Mistika

Melhor filme da Competitiva Brasileira de Curta-metragem: Marie, de Leo Tabosa

Prêmio CTAV – Centro Técnico Audiovisual

Melhor Produção Cearense de Curta-Metragem: Pop Ritual, de Mozart Freire

Prêmio Link Digital

Melhor Produção Cearense de Curta-Metragem: Pop Ritual, de Mozart Freire

MOSTRA OLHAR DO CEARÁ

TROFÉU MUCURIPE

(Júri Olhar do Ceará)

Melhor Longa-metragem – Currais, de David Aguiar e Sabina Colares

Melhor Curta-metragem – Aqueles Dois, de Émerson Maranhão

PRÊMIOS ESPECIAIS

Prêmio Unifor de Cinema

Melhor Curta-metragem: Aqueles Dois, de Émerson Maranhão

Prêmio Mistika

Melhor Filme da Mostra Olhar do Ceará: Aqueles Dois, de Émerson Maranhão

Prêmio CTAV – Centro Técnico Audiovisual

Melhor Curta-metragem da Mostra Olhar do Ceará: Aqueles Dois, de Émerson Maranhão

MOSTRA ÁGUA FUTURO

(Júri Olhar Universitário)

Melhor Filme: Olho D´água, de Anália Alencar

O POVO ONLINE Publicidade